Quero as janelas abrir para que o sol possa vir iluminar o nosso amor…

(Título: Janelas abertas, Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

 Ithinkiloveyou_110314_0423-copy_138264779_large

 

O amor seria somente mais uma palavra. Uma palavra como outra qualquer: cadeira, livros, horizonte ou paralelepípedo. Uma palavra perdida em um dicionário. Uma palavra imprecisa em uma canção. Uma palavra escrita numa placa no deserto. O amor poderia ser o deserto ou a canção, porque às vezes, nos dá uma espécie de sede, em outras, um carinho ao pé do ouvido.

Quem sabe o amor passasse despercebido, em silêncio, tão em calmaria que nem distraísse minha atenção das outras coisas bobas do mundo. Quem sabe o amor chegaria, como chegam correspondências de promoções, que a gente amassa e joga fora. Quem sabe o amor viesse como uma rosa entre as outras rosas em buquê, e olhando de cima, é tudo tão igual. Quem sabe fosse uma rua desconhecida, um creme para as mãos, um jeito de sorrir ou olhar, uma mania, um prato árabe, uma pizza, um peixe que vive só no Mar Egeu, uma marca de xampu ou de relógio, um sabor de suco, uma fruta. Embora para tudo, seja todo o sentido.

Poderia sim ser quase nada, se não tivesse sido tudo. Poderia não ter significância ou significado, senão fosse você. Senão fosse seu riso me chamando para dançar no meio do mundo, senão fosse seu nome se espalhar por todos os cantos dos meus pensamentos e os poros da minha pele, senão fosse o seu olhar na primeira vez que te vi, senão fosse seu ar de segurança, senão fosse sua simplicidade em falar. Se por um momento só, você não tivesse sido tão profundo. Se por um momento só, não tivesse sido você, teria sido tudo inútil, teria sido tão em vão.

O amor vem depois de você, e as palavras vem depois do amor. Tão clichê, tão bobo, quando a gente quer dizer que está apaixonada e sente tão amada a ponto de esquecer o resto do mundo. Tão tola nossa forma mais planejada para não ser amarrada pela paixão. Não vale nada toda razão quando o coração desperta.

 

O amor seria sim como qualquer palavra… se não fosse sua chegada.

 

 

(Cáh Morandi)

 
Anúncios

Palavras ao vento

 
 
 
 
A primeira letra do alfabeto é também a primeira letra da palavra amor e se acha importantíssima por isso. Com A se escreve “arrependimento” que é uma inútil vontade de pedir ao tempo para voltar atrás e com A se dá o tipo de tchau mais triste que existe: “adeus”… Ah, é com A que se faz “abracadabra”, palavra que se diz capaz de transformar sapo em príncipe ou vice-versa…
Com B se diz “belo” – que é tudo que faz os olhos pensarem ser coração; e se dá a “benção”, um sim que pretende dar sorte.
Com C, “calendário” que é onde moram os dias e o “carnaval”, esta oportunidade praticamente obrigatória de ser feliz com data marcada. “Civilizado” é quem já aprendeu a cantar “parabéns pra você” e sabe que é “contrato”: você isso, eu aquilo, com assinatura embaixo.
Com D, se chega a “dedução”, o caminho entre o “se” e o “então”… Com D começa “defeito”, que é cada pedacinho que falta pra se chegar a perfeição e se pede “desculpa”, uma palavra que pretende ser beijo.
E tem o E de “efêmero”, quando o eterno passa logo; de “escuridão”, que é o resto da noite, se alguém recortar as estrelas; e “emoção”, um tango que ainda não foi feito. E também tem “eba!” uma forma de agradecimento muito utilizada por quem ganhou um pirulito, por exemplo.
F é para “fantasia”, qualquer tipo de “já pensou se fosse assim?”; “fábula” uma história que poderia ter acontecido de verdade, se a verdade fosse um pouco mais maluca; e “fé” que é toda a certeza que dispensa provas.
A sétima letra do alfabeto é G, que fica irritadíssima quando a confundem com J. A letra G é para “grade”, que serve para prender todo mundo – uns dentro, outros fora; G de “goleiro, alguém que se pode botar a culpa do gol; G de “gente”: carne, osso, alma e sentimento, tudo isso ao mesmo tempo.
Depois vem o H de “história”: quando todas as palavras do dicionário ficam à disposição de quem quiser contar qualquer coisa que tenha acontecido ou sido inventada.
O I de “idade”, aquilo que você tem certeza que vai ganhar de aniversário, queira ou não queira.
J de “janela”, por onde entra tudo que é lá fora e de “jasmim”, que tem a sorte de ser flor e ainda tem a graça de se chamar assim.
L de “lá”, onde a gente fica pensando se está melhor ou pior do que aqui; de “lágrima”, sumo que sai pelos olhos quando espreme um coração, e de “loucura”, coisa que quem não tem só pode ser completamente louco.
M de “madrugada”, quando vivem os sonhos…
N de noiva, moça que geralmente usa branco por fora e vermelho por dentro…
O de “óbvio” não precisa explicar…
P de “pecado”, algo que os homens inventaram e então inventaram que foi Deus que inventou.
Q, de tudo que tem um não sei quê de não sei quê.
E R de “rebolar” o que se tem para fazer prá chegar lá
S de “sagrado” tudo o que combina com uma cantada de Bach; de “segredo”, aquilo que você está louco pra contar; de “sexo”, quando o beijo é maior do que a boca.
T é de “talvez”, resposta pior do que “não”, uma vez que ainda deixa, meio bamba, uma esperança… De “tanto”, um muito que até ficou tonto… de “testemunha”: quem, por sorte ou por azar, não estava em outro lugar.
U de “ui”, “ai que ainda é arrepio; de “último”, que anuncia o começo de outra coisa; e de “único”: tudo que, pela facilidade de virar nenhum, pede cuidado.
Vem o V, de “vazio”, um termo injusto como a palavra nada; de “volúvel”, uma pessoa que ora quer o que quer, ora quer o que querem que ela queira.
E chegamos ao X, uma incógnita… X de “xingamento” que é uma palavra ou uma frase destinada a acabar com a alegria de alguém; e de “xô”, única palavra do dicionária das aves traduzidas para o português.
Z é a última letra do alfabeto, que alcançou a glória quando foi usada pelo Zorro… Z de “zaga”, algo que serve para o goleiro não se sentir o único culpado; de “zebra” quando você esperava liso e veio listrado; de “zíper”, fecho que precisa de um bom motivo para ser aberto; e de “zureta”, que é como a cabeça fica no final de um dicionário inteiro.
 
 
 
(Adriana Falcão)